sexta-feira, 7 de maio de 2010

À futura ainda desconhecida!

Fiz essa poesia em portalegre, quando me sentei na praça ao anoitecer. No sonho acordado que tive, não vi o rosto dela, mas pude sentir tudo que a cercava e até o seu próprio coração. Por ciúmes alheios, disse que havia sido feita pra ela. Ná época dei essa mentidinha básica pra deixar em paz a relação. Essa poesia foi feita por inspiração da futura mulher ainda desconhecida, esse é o diferencial dela!

À primeira

Naquela praça fria, eu me lembrei de você.
Não, nunca soube quem eras tu,
nem tu souberas a tua força
e talvez ainda nem saibas...

Irônicamente, a tua fragilidade me encabresta,
porventura poderia algo mais dominar um cavalo selvagem?

Hoje algumas procuram ter força à força,
não sabes a força hercúlea que há no teu sorriso?

Fortaleça mulher, teu marido para a guerra!
Dê-lhe uma gota da sua saliva, e basta!
Sejas tu a razão da vitória abençoada por Deus,
da volta ilesa.

No dia de todas as mulheres
essa poesia é tua!
Basta que olhes para mim
e está mesma fonte jorrará.

Gláuber Ferreira

Publicado no Recanto das Letras em 10/03/2007
Código do texto: T408013

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



EXPLIQUE ISSO!

Nenhum comentário:

eXTReMe Tracker